Vivemos uma época em que a maioria dos pais exercem atividades externas, e, ao final de um longo ciclo de jornada de trabalho, chegam a suas casas exaustos e com outras atividades para desenvolver, como o cuidado com a casa e com os filhos. Essa realidade faz com que muitos pais se sintam frustrados e até mesmo culpados por não poder passar mais tempo com seus filhos e a maioria acredita que ofertar bens materiais pode ser uma forma de compensar sua ausência.

Embora não exista um manual de instruções para os pais seguirem, há algumas orientações que, se colocadas em prática, podem contribuir para um bom relacionamento entre pais e filhos. Por isso, apresento neste texto quatro dicas para os pais continuarem a oferecer o seu melhor para os filhos.


Oferte tempo de qualidade ao seu filho 

Para os filhos, o mais importante é sua presença e não os presentes. Mesmo que sua presença de qualidade seja por pouco tempo, a criança ou o jovem percebe quando seus pais estão por inteiros na relação. Estar por inteiro é interagir, se preocupar e se interessar. 

 

Cuidado ao afirmar que você é o melhor amigo de seu filho 

Essa afirmação e postura podem confundir a hierarquia da relação e contribuir para que você perca a autoridade que deveria ter com eles. A tendência, nesse caso, é que os filhos vejam os pais como iguais e não os respeitem quando eles tentem impor limites. Lembre-se, impor limites é essencial para a saúde emocional dos filhos. Os pais precisam aprender a dizer não e explicar o porquê do não.

O melhor presente que você pode dar aos seus filhos é não brigar na frente deles e não os inserir nas discussões do casal 

É extremamente prejudicial para uma criança sentir-se responsável pela inabilidade dos pais em resolver os seus conflitos. A criança se coloca em constante estado de atenção ao que acontece na relação com os adultos e pouco desenvolve a sua capacidade de crescer emocionalmente.

Muitas vezes a criança adoece para camuflar a principal dificuldade dos adultos, principalmente quando pai ou mãe tenta se unir à criança para que ela fique contra o outro cônjuge. 

Está irritado? Estressado? Com Raiva? não se direcione a seu filho neste momento 

Deixe passar a sua raiva para não deixar marcas, principalmente se em sua fala aparecer frases do tipo: “Você não devia ter nascido”, “não te quero mais”, “o que tinha na cabeça para engravidar e te colocar no mundo”. Esse comportamento desenvolve na criança e no adolescente o sentimento de abandono e de não pertencimento. Não há como esperar somente coisas boas dessa relação. Os filhos vão demandar problemas e vão contribuir para sentimento de frustração e de raiva em vários momentos da vida. Mas, afinal, quem é o adulto da relação? Embora a convivência nem sempre seja tranquila, cabe aos pais colocarem-se na posição de tentar compreender o que está acontecendo com seus filhos e, ao pôr em prática a dica número um, ficará mais fácil compreendê-los.

Essas foram as quatro dicas para melhorar a relação entre pais e filhos: ofertar tempo de qualidade, ter cuidado ao afirmar que você é o melhor amigo, não brigar e discutir na frente dos filhos, e evitar ao máximo se direcionar as crianças em momentos de raiva e stress. Então me diga, você coloca algumas dessas dicas em prática? Quais delas? Deixe seu comentário.

Escrito por:
Fabiane Moraes de Siqueira
Psicóloga e Terapeuta de Família e Casal
 
Acompanhe também:

Links redes sociais: https://linktr.ee/fabianemsiqueira