O início da relação conjugal dispara uma série de sentimentos e descobertas em ambos os cônjuges, pois cada um leva para a relação valores e costumes diferentes que vão exigir muitas negociações entre o casal.

Ao ter o primeiro filho, essa sensação não é muito diferente, pois deixarão de ser apenas dois na relação e exigirá de ambos a responsabilidade de cuidar e educar uma pessoa totalmente dependente deles. Outro fator importante a considerar é que as experiências de cuidados serão aprendidas dia após dia.

Quando chega o segundo filho há uma crença em acreditar que por ter passado pela experiência do primeiro, já estarão mais preparados em como lidar com toda necessidade da criança. E muitas vezes se perdem no processo por não compreender que ambos são diferentes um do outro e que muitas vezes vai exigir tratamentos diferentes.


Desta forma se você tem ou vai ter o segundo, terceiro ou quarto filho, segue três dicas que podem te ajudar neste processo:

1- Não tratar os filhos da mesma forma:

Filhos em diferentes idades precisam ser tratados de acordo com a idade que tem, pois ambos estão em momentos diferentes da vida.
Não se trata aqui de amor e afeto, e sim sobre como proceder em situações do dia a dia. Por exemplo, se você tem um filho com 10 anos e um filho com 5 anos, educar ambos da mesma forma, como se eles fossem iguais, pode resultar em sentimento de injustiça e de comportamento infantilizado por parte do mais velho.
Filhos em diferentes idades trazem desafios aos pais: apresentam personalidades diferentes, estão em uma fase do ciclo de vida diferente e necessitam de um olhar diferente. O que serve para um, pode não servir para o outro.

2- Proibir o filho mais velho de viver experiências diferentes, porque o filho mais novo não pode acompanhar.

É extremamente comum os pais impedirem que o filho mais velho tenha experiências sem a presença do irmão. Muitas vezes isso acontece pela inabilidade dos pais em lidar com a frustração do filho mais novo que não poderá estar junto com o irmão.
É extremamente importante que os filhos saibam lidar com frustrações e entender que não podem ter tudo que querem e da forma que querem. Explicar isso às crianças irá contribuir para o fortalecimento emocional dos filhos.

3- Se um filho apronta, ambos levam “bronca” e castigo juntos.

Comentei no item anterior que é comum o filho mais velho se sentir injustiçado por não ter o direito de viver experiências importantes para sua idade, pelo motivo do irmão não poder acompanhá-lo. Aumenta esse sentimento em dez vezes mais quando um dos irmãos apanha de seus pais sem ter dado motivo para isso.
Ainda nos dias atuais é muito comum os pais não procurar entender o que aconteceu e colocar todos os filhos em situações corretivas. Resultado: conflitos intensos entre pais e filhos, principalmente na fase da adolescência.

Ter consciência que cada filho terá sua personalidade, que cada um vai se apresentar de forma diferente, devido à diferença de idade e de experiências vividas, vai contribuir na compreensão que mesmo tendo passado por uma experiência anterior, o modo de educar e lidar com o segundo filho será diferente e cheio de descobertas!

Escrito por:
Fabiane Moraes de Siqueira
Psicóloga e Terapeuta de Família e Casal
Acompanhe também:
youtube.com/fabianesiqueira
Links redes sociais: https://linktr.ee/fabianemsiqueira